Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

COSMéTICAS.net

o «ESPAÇO» onde nem tudo o que parece é... música para os ouvidos !?

COSMéTICAS.net

o «ESPAÇO» onde nem tudo o que parece é... música para os ouvidos !?

Sobre o Blogar: a Bela Arte (1)

27.02.10 | Paulo Jerónimo

A palavra blogar, casa com arte?

Há para quem a primeira (blogar) não faça sentido se for solteira, ou estiver divorciada da segunda (arte).

 

A blogosfera, complemento da Internet, democratizou a informação.

Qualquer um pode escrever, opinar, absorver, pesquisar, veicular itens e informação, ou simplesmente voyerizar. E se até para se ser um bom cantor 'pimba', goste-se ou não, é preciso ter arte, não raramente e por tantas vezes, é a falta dessa habilidade e continuar a despercebela,  que  leva ao 'engelhar de nariz' de muitos frequentadores da rede, nomeadamente na blogosfera.

Um blogue não deve ser a exposição do meu mundo, deve antes mostrar a forma como vejo o mundo. E isto  será  válido, pois mal andará quem se julgar na plena assunção possesiva do termo, Senhor do Mundo (Mr. Cosmos ?!) .

 

(post congelado em 'A blogosfera é um grande baile de máscaras...' )

MrCosmos

A imagem de Portugal no mundo: P. Abrunhosa na revista Latitudes ...............................(aussi en fr)

24.02.10 | PortoMaravilha

 

 

 Source / fonte: Latitudes , nº 36 , out 2009 , pp . 83 , 84 , 85 , 86

 

Louvo e agradeço a gentileza da revista "Latitudes" que autorizou a tradução desta entrevista levada a cabo por Dominique Stoenesco e Odette Branco.

Nuno

 


 

Latitudes : Em nota introdutória a esta entrevista, poderiamos começar pelo seu percurso pessoal. E nomeadamente pelo Porto, a cidade que lhe é tão querida.

 

Pedro Abrunhosa : Em primeiro lugar Porto sigifica "port", um porto de acolho, aquele ao qual regresso sempre. Nasci no Porto e vivo no Porto, mas estou sempre em "transit" porque viajo muito, sobretudo para Nova Iorque por razões totalmente profissionais e é aì que se encontra a indústria musical do disco. Mas o Porto é sempre o sítio a onde regresso sempre, é a minha casa, aqui sinto-me bem. O Porto é a cidade do granito, dos poetas, é uma cidade de cultura com profundas raízes históricas. O nome "Portugal" nasceu aqui no Porto, entre Porto e Gaia que está na outra margem do rio Douro. Ele vem da junção destes dois lugares, Porto e Gaia que no tempo dos Romanos se dizia Calem, daí Portocalem, depois Portugal. Tudo começou aqui. Para mim, há asseguradamente indicadores sociológicos que fazem um pouco a diferença entre o Norte e o Sul : Somos um país feito de diversidades culturais, mas também de unidade cuja língua é o factor essencial. Por outro lado, esta língua deu nascença a um enorme espaço, chamado Lusofonia, que permite hoje em dia o contacto entre povos geograficamente muito afastados. Isso representa sem dúvida uma mais valia.

 

Latitudes : Num documentário mostrado na televisão Francesa, há já alguns meses , no programa "Des racines et des Ailes " , dizia que o Porto é uma cidade de inovação e de criação artistica em várias áreas , como a foto , a música , o cinema e a literatura.

 

P. A . : Sim, o Porto é uma cidade de cultura. Creio que uma cidade , um país , mesmo uma pessoa são antes identificados através da cultura do que da política. Somos o que fazemos , o que dizemos, o que sentimos e o Porto é uma cidade muito activa , muito criativa . Podemos citar a escola de Arquitectura, reputada, Manoel de Oliveira, um dos maiores cineastas, originário do Porto, Eugénio de Andrade que embora não sendo originário de aqui ,sempre aqui viveu toda a sua vida. Ou ainda a Universidade do Porto que acolhe inúmeros estudantes vindos do espaço lusófono. Em seguida a Casa da Música que é também um ponto de encontro e de modernidade. Não se pode ser mais ousado que a Casa da Música. Citemos ainda o museu Serralves , o museu mais visitado em Portugal , e o Teatro de São João, também muito frequentado.

 

Latitudes : Falemos agora do seu itinerário musical. Se hoje é o que é , autor duma notável criação musical, é graças ao seu trabalho pessoal e ao seu talento , mas também porque foi formado numa boa escola , por exemplo Coleman ou Bily Hart !

 

P.A . : Sim, é verdade. Frequentei o Conservatório de Música aqui no Porto e fiz estudos em Budapeste , passei por todas as etapas par ser contra-baixo e especializei-me em Wanger. O meu domínio dizia respeito à direcção de orquestra e à composição. Após isso, vamos dizer que o Jazz chegou naturalmente e, depois, do Jazz à Pop só havia um pequeno passo. The Duke tinha uma citação interessante : Dizia que havia dois tipos de música : A boa e a má. O meu percurso musical construi-se também em simbiose com a literatura. As palavras são muito fortes.

 

 

Latitudes : Conhecemos as suas fontes principais de inspiração : O amor, a ausência , a separação... Com efeito, dá uma enorme importância ao texto e à sua escrita. Além disso, num site Francês que lhe é consagrado e que é animado por uma jovem de origem Portuguesa , Fátima Leitão, esta presta-lhe uma grande homenagem a propósito das suas canções e dos seus textos : " É o mais belo encontro que tive com a língua Portuguesa , que me abriu a porta dos seus poetas e me deu vontade de ir ao seu encontro... "

 

P. A. : A língua Portuguesa é uma língua muito bela que se presta maravilhosamente bem para a escrita de canções. Os Brasileiros, por exemplo, fazem-no muito bem. A canção seduz-me imensamente. É por isso que tomo todo o meu teu tempo para escrever os meus textos. Digamos que a metade do trabalho é a música e, após, começo a dar corpo às palavras e que, por vezes, levo um ano para acabar o trabalho musical em curso. A canção , sobretudo aquela que conhecemos desde a canção Francesa ( Gainsbourg, Reggiani, Moustaki , Brel , que é Belga mas que canta em Francês ) , é na maior parte das vezes uma estória que ocorre em 4 minutos. Para mim, isso representa um formidável mistério ! Também é o caso para Bob Dylan . Este é capaz de contar uma estória completa, com um princípio e um epílogo , com metáforas, etc... , no tempo duma canção.

 

Latitudes : Há pouco, entrando aqui, atrevi-me a comparar o seu trabalho com o do cantor e compositor Brasileiro Lenine. Porque também ele dá muita importância ao texto. Penso que trabalharam juntos.

 

P. A. : Convidei Lenine para tocar comigo, há seis anos , para gravar algumas das minhas canções. Fizemos um álbum no Rio de Janeiro e quando saiu foi um sucesso enorme. Subitamente, as minhas canções com a voz de Lenine agradaram imenso . Fizemos vários espectáculos juntos. Por outro lado, já tinha feito o mesmo tipo de trabalho com Caetano Veloso e, neste momento, faço-o com Maria Bethânia. Vou publicar um álbum no Brasil com 16 canções minhas , cantadas por vários artistas Brasileiros, Lenine e outros cantores como Arnaldo Antunes, Milton Nascimento , Caetano Veloso , Chico Buarque, etc.  Com Lenine temos verdadeiramente uma história em comum. Quando nos encontramos em cena, banhamos na felicidade e também na angústia porque há sempre aspectos sociais que evocamos nas nossas canções. Com Lenine em concerto é o máximo : É um dos mais importantes músicos contemporaneos. Penso que Caetano Veloso transmitiu-lhe o testemunho, podemos dizer que é o porta-voz da cultura Brasileira contemporanea.

 

 

♫ pelas trilhas do vinil - 3

24.02.10 | Paulo Jerónimo

 

 

Podia escrever neste post mil e uma linhas, mas nada como deixar falar a quem mais e melhor disto sabe. Não me faltarão oportunidades para voltar e dissertar o assunto.

Pelo que, Nuno:

compreenderás certamente que volte a transcrever, o que partilhaste na caixa de comentários nas origens do COSMéTICAS, ainda enquanto leitor e amigo deste espaço e pessoa com quem hoje co-editas, para minha grande honra.

 

Esse comentário transcrito seria a 'última gota' para endereçar o convite ao Nuno de integrar este projecto de carolice, e nem resistiria a dissocia-lo deste »trilhas 3« de hoje. 

Sobre a história desta que me dizem ser uma raridade de álbum, vinil triplo, editado em Portugal no ano de 1970, em plena ditadura, meses depois do concerto que comemorou recentemente 40 anos, dizer que deverá ser por certo com o mesmo sorriso estampado no rosto que aqui o apresento. O mesmo sorriso, leia-se, do que esboçaria quando o encontrei na banca de antiguidades de Carlos Quintino, em Leiria,  depois de o descobrir encabeçando outro molho de discos, e que apesar da minha decepção por já ter  gasto o orçamento estipulado noutras 'ricas velharias',   teve a amabilidade do mo guardar cerca de um mês, negando inclusive  ofertas mais aliciantes por outros clientes, fiel ao compromisso que assumira. 

Não tive como evitar a lembrança do testemunho abaixo, do PortoMaravilha, e a forma como ele sentira a perda dos seus próprios discos, pelo que tinha de conhecer melhor o que o homem alí dizia... E o que se perdia...  

 

O Tema escolhido, 'Love March' dos  Butterfield Blues Band,  acaba por o ser, não apenas por se tratar do meu preferido, mas porque também antecede o tema relevado pelo Nuno aí mais abaixo, citando-o: "A retomada por J. Hendrix do hino Americano".  Podem ouvir este segundo tema a partir dos 10':40'' do vídeo, e a guitarrada do hino, coisa do outro mundo, e ousada para 1969,digo eu... aos 13':00'' .

Espero que gostem.

MrCosmos.

 

 

  
Portomaravilha, a 18 de Agosto de 2009:
 

"...Ora também perdi os meus dois álbuns vinil de Woodstock nessa inundação.
Festejam-se os 40 anos desse festival e eu gostaria ter esses discos.
A qualidade de gravação era péssima, mas dois extractos valem bem a pena. Se a minha memória é boa após tantos anos : A retomada por J Hendrix do hino Americano e a retomada por Joe Cooker de " A little help for my friend" [ver aqui: link]

 

Woodstock a última grande missa hippie, logo após Maio 68, marcará as mentalidades. Os Rollings tentarão organizar um festival concorrente que terminará no horror com mortos. Os Angels invadem e matam com sticks de bilhar espectadores. Mike Jagger impotente assiste ao espectáculo.

Todavia, o Poder da Flor ficará. 

A luta contra a guerra no Vietname é ganha e uma obra prima nascerá : "Apocalipse now ". Os Americanos exorcizam a guerra.
Apesar de ter chovido sobre Santiago, veja-se o filme "il pleut sur Santiago / queda de Allende/ a Revolução dos Cravos , um ano depois, tal um castelo de cartas , fará cair quer o Franquismo quer a Grécia dos coloneis, atravessando o Atlântico. Daí Fado tropical de Chico Buarque ( o Rio Amazonas que corre em Trás os Montes ) e a retomada desta melodia por vários autores internacionais.

Em Portugal, o grafismo liberta-se. Pode re-ligar-se com a sua memória, oprimida durante mais de 4 décadas. A grafia dos blogs pt é fantástica.
A Brigada Vitor Jarra (nome em honra do guitarrista Chileno Vitor Jarra que ficou sem mãos cortadas pela ditadura de Pinochet ) recupera um enorme espolio musical ( ainda hoje mal aceite ) com séculos de história, mostrando a diversidade e costumes de Portugal.
Etc, etc.

Um vento soprou :

Rene Dumont, em 1974, candidato às eleições Francesas, dá a volta à França em bicicleta para defender as ideias ecologistas. Ao mesmo tempo , Sérgio Godinho cantava um tractor, um tractor...
Rene Dumont teve , salvo 1,09 de votos.
Mas desde então , um tractor , um tractor, a tomada de consciência ecológica cresceu.
Já nenhum partido , da extrema direita à extrema esquerda, se atreve a pôr em causa a sua necessidade vital.

Talvez sejam estes os sopros trazidos pelo vento do poder da flor.
Poderia também acrescentar que, paradoxalmente, pelo menos em França, quer a direita quer a esquerda, começam a fustigar a noção de materialismo. Mas talvez seja cedo para adivinhar as reais intenções.
Desculpa lá se chateei . Eu quando começo a escrever...
E Viva o Porto !

Enterro do Carnaval com carta ao Pai Natal.

21.02.10 | Paulo Jerónimo

Querido Pai Natal,

 

Agora que enterramos o Entrudo e as míni ferias dos carnavais, que remédio senão voltar as secretárias  para trabalhar, que prolongamentos desta época, é só pelas cadeiras dos cursos de ciências politicas, direitos e justiça, ou jornalismo, da escola Assembleia da República. Já os desgraçados a cursarem cursos médios, curtiram a pausa, mas querem partir para outros trabalhos, ansiando já as loucas e parvas férias de verão...

Por isso, e de muito organizadinhos que somos no curso de COSMéTICAS, este aluno - com alguns anos de curso e as cadeiras de futebóis e futeboladas recentemente concluídas bem como a de cIÊNCIAS rASCAS - te escreve.

 

Trata-se já da minha carta com pedidos de Natal para este ano, e assim se arruma logo a questão.

Recordar-te, Pai Natal, que aqui no cosméticas não somos propriamente meninos do berçário, há muito que deixamos de chorar em coro, pelo que os brinquedos que te pedia-mos, eram assim mais à séria, que até dão para trabalhar! 

Por exemplo, quando faço exercícios para a cadeira de Tecnologias Blogger, lá, do meio das teias de aranha daquela sala em plataforma, conseguimos uma ferramenta de meter inveja.

Dás-me então, e por isso, para esta cadeira 'Bloguesgalhadas do Sapo' que andamos a tirar na Faculdade bloguiana Terrestre um «BOTÃO GUARDAR EM RASCUNHO» , sem ser preciso abandonar a caixa de redacção do post ?

 

Espera, eu sei que já temos um botão desses... mas eu explico: era só para não termos de andar sempre a fechar, abrir e desfolhar a sebenta, cada vez que queremos nos prevenir de perder o trabalho, e guardar  a matéria.  Depois a malta facilita, para não ter que esgravatar constantemente no meio de mais de 15/20 apontamentos que estão na sebosa sebenta do Sapo, e pronto, a bateria acaba, ou o paneleiro do Internet explorer crasha , e lá vão horinhas e muitas linhas janela fora.

Era bué da fixe, poder guardar, assim de forma simples , tas a ver? 

Automaticamente, de X em X tempo aquilo guardar  tudo sozinho, e, MESMO QUE, os posts já tivessem sido publicados anteriormente, pimba, carregar no botão e rascunho na mesma! Se quisermos.

E não me digas que desses  brinquedos não há, ó Pai Natal. Qu'es ver que o Blogger descobriu a pólvora, e introduziu-a no meio daquelas teias de aranha ?

 

Pronto, é isso: Uma sebenta nova, mais evoluída e com bué-da botões para brincar. Que a malta gosta!

Da-ahhh! Mas será possível que estas a ficar velho e patarouco, Pai natal?

Não insistas! Não aceito nada antes, destaques na página principal, que isso é coisa de meninos pequeninos, os do berçário. Isso são outras birras.

Peço-te ferramentas novas, para melhor trabalhar. Pode ser?

Fixe! Obrigado.

MrCosmos

 

PS: E para o ano que vem adianto-te já que vou pedir uma forma de fazemos e guardarmos um bakup automático de todo o blogue. Não é só segurança, é pode-mos mudar um blogue inteiro com post e comentários, para outro endereço sapo, por exemplo, sem vos andar-mos sempre aí a melgar. O 'Teias de Aranhas' tem...

A transmissão simbólica Folheto nº 12 ................... La transmission symbolique Feuillet nº 12 ..............

20.02.10 | PortoMaravilha

 

 

 

Para Nick Currie , músico, escritor e artista , a sua nova máxima é  :

"Twitter é um serviço que põe em competição um máximo de pessoas quanto possível, para obter quanto possível um mínimo de atenção" .

 

Fonte : Libération, 17 de Fev de 2010

Nuno

 

 

[PORTO DE ABRIGO] ::»reflexões à Prof. Jesualdo« bitaites que sendo para dentro, atingem os de fora ;1

19.02.10 | Paulo Jerónimo
 
'LIGAções perigosas' 2 VS 1 'o D'ouro que lavas aPITAdelas'«


...Que é como quem diz: dos amores a arbitros com paixões vermelhas tipo Mr. King, às actuais mulheres da frutaria no Bolhão. Mudam-se os clubes, mantêm-se às vontades.

 

 

»Começava este post com o destaque »On Fire«, para o influente opinador, Rui Moreira, que, e compreendendo o Mister, que ele próprio, RM, eleve Miguel Sousa Tavares como sendo o portista que melhor representa e defende o que vaí no geral da 'alma' adepta portista, tenho que discordar e dizer-lhe que não, que não é MST, mas sim ele, Rui Moreira, quem o Mister do bitaite acha que melhor está nesta altura a defender e expor, o que nos vai na alma, de todos nós, generalidade dos portistas. Estará o Mister enganado?

 

»Que o Porto, futebol clube, 'perde o norte' com alguma frequência, Já sabia-mos. Ao que parece ainda não se saber, é da tendência para falta de vista, entre as descirnir 'arbitrariedades', e, prioridades. Boa parte da bancada azul e branca talvez até tenha o uma outra capacidade de discernimento, provocado por, e para além de que como o macaco, existe um certo calo no cu, salutar, suficientemente aguçado por uma trintena de jejum. E Isto lhes acalenta a alma draconiana, pois pudera, tem de engolir as próprias chamas tantas vezes, para dentro em seco, nos tempos que correm...

Pelo que avista-se entre o nevoeiro o navegar de uma nau, que, de bandeira aprumada bem alto no mastro, cada vez menos avança, atravessou mares longínquos, e chegada ao destino em busca de um novo Penta, anda a deriva, sem saber 'aportar', calmamente orientada, embalada, por ondas vermelhas e um farol e faroleiros intermitentes-tentes-tentes.

Mas como em qualquer embarcação que se preze, há os marinheiros mais calejados, e os marujos mais enrabichados, cujo mau comportamento lhes pode custar uma ida pró caralho (e aqui cultivai-vos, vede o significado do termo: link , mal habituados, e convencidos das sempre infindáveis boas atracagens.
 

Ora sabem os mais batidos que não há fome que não dê em fartura nem bem que sempre dura...


e que discurso derrotista é este agora? Perguntar-se-ão já alguns.«

 

Nada disso!

 

Defender o FCP com unhas e dentes sob vis e baixos e ordinários ataques? Sim.

Denunciar descarados e flagrantes faltas de vergonha de quem assume que faria as coisas por outro lado? Também!
 

Arbitrariedades estilo João-esse-sim-Proença-pode ser? Okay.
 

Mas, haverá maior desgraça do que focalizar-se no que se passa a volta, negligenciando a própria casa?

Tahar Rahim : A nascença dum grande actor ........ Tahar Rahim : La naissance d'un grand acteur .....

17.02.10 | PortoMaravilha

 

 

 

No filme de Jacques Audiard , "Le prophète" ( uma obra prima quanto a mim ) , Tahar Rahim desempenha o papel dum jovem prisioneiro que se tornará um chefe mafioso. Soube impor-se " à primeira vista " na paisagem do cinema Francês. Pequeno queria ser actor e só actor. Objectivo alcançado. 

Nuno

 

 

Pág. 1/3